V E M P R A R U A


Só estou engajado no movimento de massas por coerência na minha crença de que o povo não esteja indo para as ruas defender os princípios da direita festiva ou decadente. Sou de esquerda e não estou nessa de destruir seus princípios supostamente causadores do descontentamento embutido nas manifestações. Não acredito que nosso povo tenha que despertar dos cochilos provocados pelo sistema para sair às ruas para defende-los. Esta análise é no mínimo, ingênua. Se o povo despertou e protesta contra as aberrações, pela lógica, só pode ser contra o sistema e não contra partidos que o condenam. Se estes, hoje sob a governança do PT de Dilma e Lula, deixam a desejar, obviamente não é por falta de competência ou intenção, mas sim por falta de espaço político que lhes permita governar da forma como seria conveniente, dado ao bloqueio do sistema internacional com tentáculos na nossa direita decadente, a exercer pressão violenta, impossibilitando a realização de seus ideais. E o povo sabe disso. Se esta fosse a causa da mobilização, eu estaria fora. Só empresto meus versos, minhas canções, minha empolgação e meu tempo, movido pela indignação que acredito ter levado o povo às ruas. Comovido com o despertar de um sentimento inédito em nossa história, fui presenteado com o NOVO a esbofetear nossa apatia, revelando uma determinação coletiva, disposta a colocar não só o país em ordem, como a participar com força continental da transformação mundial, já caindo pelas tabelas. A meu ver, Dilma Lula e o PT, devem estar fora das críticas e do eixo dessa mobilização, que está acima de partidos políticos, como vem demonstrando, em busca de algo muito maior que intrigas político-partidárias, para decidir o sucessor na presidência. A meu ver, e por isto me engajo, esta é uma vontade de mudar a cara do país, para acabar com a corrupção, a fome e tudo o mais que se reivindica. Se não está com esta fisionomia, cabe a nós, esquerdistas e setores dispersos da sociedade, engajarmos nessa mobilização e tentar faze-la chegar ao ponto desejado, sob pena de sermos mais uma vez, esmagados pelo mesmismo imposto pelo sistema. Se esta mobilização foi provocada pela mídia de direita, ao observar as manifestações, e o conteúdo de suas reivindicações, entraram pelo cano, e esta é a grande chance de canalizar nosso povo com lucidez aos objetivos verdadeiramente transformadores de nossa realidade. É no calor da ação que poderá nascer a transformação, e não na crítica fria de analistas tanto de esquerda ou de direita, sentados confortavelmente frente ao seu computador. “VEM PRA RUA”.

Sergio Ricardo

Anúncios

6 respostas em “V E M P R A R U A

  1. Caro companheiro Sérgio Ricardo .As manifestações que estão acontecendo por todo o País é fruto da insatisfação e por mudanças no rumo da prosa. Nenhum governante pode arrogar-se o direito de achar que está acima da crítica.Querer imputar responsabilidade a forças externas sobre essa paradeira que instalou-se no cenário político nacional, nutrido a muita corrupção e ineficiência é de um viés reducionista e ingênuo.O povo delegou poderes quando elegeu seus representantes para que eles municiados de todos os equipamentos legais disponíveis admistrassem o patrimônio público, que, como a própria nomenclatura indica, é de todo o povo brasileiro. Coube ao PT nesses 10 anos o beneplácito do povo para conduzir os rumos da nave chamada Brasil, que optou por um modelo estatal desenvolvimentista que deu alguma oxigenação nesse País, aplicando o fordismo tardio que tirou milhões de brasileiros da linha da miséria absoluta. O PT também tem responsabilidade com tudo o que está acontencendo, pois formou um governo de coalisão que nada mais é do que um vampiro dos recursos públicos e as reformas de que o País tanto necessita não acontecem.O partido que também ajudei a fundar era muito diferente do que esse paquiderme preguiçoso que ora se estabelece no comando de nosso País.Abraços.

  2. O Ensaio Sobre a Lucidez – José Saramago (#vemprarua)
    (Resenha)

    Num país qualquer, num dia chuvoso, poucos eleitores compareceram para votar, durante a manhã. As autoridades eleitorais, preocupadas, chegaram a supor que haveria uma abstenção gigantesca.

    À tarde, quase no encerramento da votação, centenas de milhares de eleitores compareceram aos locais de votação. Formaram-se filas quilométricas, e tudo pareceu normal.

    Mas, para desespero das autoridades eleitorais, houve quase setenta por cento de votos em branco. Uma catástrofe.

    Evidentemente que as instituições, partidos políticos e autoridades, haviam perdido a credibilidade da população.

    O voto em branco fora uma manifestação inocente, um desabafo, a indignação pelo descalabro praticado por políticos pertencentes aos partidos da direita, da esquerda e do meio. Políticos de partidos diferentes, mas de atuações iguais, usufruindo de privilégios que afrontavam a população.

    Os eleitores estavam cansados, revoltados.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Ensaio_sobre_a_Lucidez

  3. Os Deputados Borra-botas

    Se a crise de representatividade já era grave, após a rejeição da PEC 37 ficou mais grave ainda. E, paradoxalmente, exatamente porque ela foi rejeitada, o que era a intenção das ruas.

    O fato é que todos nas ruas sabíamos que a intenção destes deputados, com raras exceções (e nós sabemos quais), era votar a favor da PEC 37, e o resultado iria ser diferente. Muitos postaram fotos contra a PEC 37, mas será que eles ainda acham que nós somos bobos, e eles espertos?

    A verdade é que estes que votaram contra, mas eram a favor (e nós sabemos quais são) ENGACAÇARAM-SE completamente. Ou seja, somos representados por um bando de deputados cagões. Ou borra-botas, para ficar mais leve e usar uma expressão do meu saudoso avô Américo.

    Teve muito deputado postando foto contra a PEC 37, mas com aquela cara do menininho de um antigo anúncio que gritava: – Alfredo, traz o Neve!!!!

    Ou seja, temos um Congresso que borra as botas… triste.

  4. Os Deputados Borra-botas

    Se a crise de representatividade já era grave, após a rejeição da PEC 37 ficou mais grave ainda. E, paradoxalmente, exatamente porque ela foi rejeitada, o que era a intenção das ruas.

    O fato é que todos nas ruas sabíamos que a intenção destes deputados, com raras exceções (e nós sabemos quais), era votar a favor da PEC 37, e o resultado iria ser diferente. Muitos postaram fotos contra a PEC 37, mas será que eles ainda acham que nós somos bobos, e eles espertos?

    A verdade é que estes que votaram contra, mas eram a favor (e nós sabemos quais são) ENCAGAÇARAM-SE completamente. Ou seja, somos representados por um bando de deputados cagões. Ou borra-botas, para ficar mais leve e usar uma expressão do meu saudoso avô Américo.

    Teve muito deputado postando foto contra a PEC 37, mas com aquela cara do menininho de um antigo anúncio que gritava: – Alfredo, traz o Neve!!!!

    Ou seja, temos um Congresso que borra as botas… triste

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s